20 de outubro de 2016

Mitos da Psicologia (5 Esclarecimentos básicos, mas que podem ser importantes)

Divã Psicanálise (Placcido)

Em uma teoria, existem diversas questões que são desconhecidas pelas pessoas que geralmente não estão envolvidas com ela, é assim com Informática, Medicina, Direito, e claro, até com a Psicologia, isso faz com que, para essas pessoas, surja um amontoado de enganos que na maioria das vezes ou é um mito ou é um pequeno detalhe do que realmente significa o fator percebido. É por isso que reuni nesse texto as dúvidas mais comuns, para quem sabe te ajude aí um pouquinho, seja você simplesmente um curioso, ou algo a mais.

1. Psicologia e Psicanálise são a mesma coisa (Sigmund Freud): Para muitos que não estão envolvidos diretamente com a Psicologia, S. Freud é sem dúvidas o mais conhecido quando se fala da teoria, no entanto, o que alguns não sabem é que S. Freud é apenas um dos diversos teóricos existentes. Siguizinho é o idealizador de UMA das teorias, a Psicanálise, na qual começou a ser estudada antes mesmo da profissão da psicologia. Assim, podemos esclarecer que Psicologia e Psicanálise não são a mesma coisa, para se tornar psicanalista é necessário fazer um curso da teoria ministrados pelos Institutos Internacionais de Psicanálise (IPA), algo que você não encontrará aqui no Brasil, enquanto o psicólogo é “simplesmente” o profissional que se graduou em psicologia. É importante salientar que o indivíduo pode se tornar psicólogo e psicanalista, basta fazer os dois cursos.

Na psicologia há muitas outras teorias além da Freudiana, que divergem primeiramente por sua visão de ser humano, como a Análise do comportamento ou Behaviorismo, Humanistas, Gestalt, Cognitiva, temos até a Psicologia Evolucionista! Sem dúvidas Freud e sua Psicanálise tem uma contribuição indispensável para a construção do conhecimento Psicológico, porém, quando alguém estiver falando de psicologia com você, lembre-se, ele pode estar falando de qualquer uma dessas.

2. Psicólogo receita medicamento: Aqui a confusão é simples, assim como alguns confundem entre Psicólogo e Psicanalista, também é comum que não se saiba diferenciar esse profissional de um Psiquiatra. O Psicólogo, como já foi dito, é o sujeito que termina a graduação em psicologia, já Psiquiatria é a profissão de quem se graduou em Medicina, e após se especializou em curso psiquiátrico, logo, é importante entender que "apenas" Psiquiatras tem o poder de te receitar alguma medicação, (Medicamentos só podem ser receitados por graduados em Medicina).

3. Vou montar meu consultório: Atividade da Psicologia Clínica, aqui está mais uma representação social do que é a profissão de Psicologia. É super provável que o trabalho com clínica seja o mais comum entre os psicólogos, (junto a organizacional), no entanto, a clínica está longe de ser a única forma de exercer a psicologia, temos por exemplo, as áreas da Psicologia Jurídica, Forense, Social, Comunitária, Hospitalar, Escolar, do Esporte, Organizacional e até Docência (entre outras), podendo o profissional atuar em qualquer uma delas! Esse esclarecimento serve para muitos graduandos também, que ao entrar no curso, imaginam de prontidão que a clínica é o que farão quando terminar o curso, porém, ao decorrer dos estudos, e ao se conhecer as áreas de atuação, muitos acabam mudando, fator muito comum.   

4. Psicologia é fácil, não tem matemática: Aqui temos alguns problemas, primeiramente subentende-se que tudo que não seja matemática ou que envolva números, seja fácil, o que obviamente não é verdade. Para você ter uma ideia, os graduandos de psicologia irão precisar aprender sobre neurofisiologia, endocrinologia, psicofarmacologia, métodos de diagnósticos e de pesquisa, artigos, e muito mais, ou seja, nada disso é fácil, ainda para complementar, o estudante vai precisar aprender técnicas de Estatística aplicada e Psicometria, algo que pode enlouquecer qualquer um que não goste de números. Mas não se assuste, a verdade é que nenhuma graduação, seja qual for, será fácil!

5. Estão te analisando: Essa situação é vista mais como uma brincadeira pela maioria de psicólogos e graduandos que conheço, no entanto, por vezes isso pode ser levado bastante a sério. Já ouvi direcionado a mim, a pessoa dizer que tem a impressão que estou sempre a analisando e que isso a impedia de ser comigo o que normalmente é com as outras pessoas. Obviamente muitos de nós estamos sim atentos a comportamentos gerais, no entanto, isso está longe de ser uma análise, e não é sempre que fazemos, contando ainda que qualquer pessoa pode estar atenta ao que você faz ou deixa de fazer. É importante lembrar que somos sujeitos como qualquer outro, temos nossos momentos bons e ruins, logo, desapegue, não estamos sempre prestando atenção ou analisando você, se quiser isso, marque um atendimento. :-)

Não esqueça de dar uma clicada nos links abaixo, eles são parte importante para o entendimento dos temas, e irão com certeza contribuir para seu conhecimento. Um abraço!

Mais informações:
Opinião e Discussão: O que é Psicologia Evolutiva?