16 de março de 2017

Falácia do Espantalho (Vale tudo para ganhar um debate?)

Espantalho (Placcido)

Nos últimos anos, as redes sociais têm tido um papel superimportante na formação de opinião e ou propagação da mesma aos mais diversos tipos de pessoa. Graças a elas (principalmente Facebook e Youtube), podemos ter ao alcance todo tipo de fala sobre qualquer assunto.

Somando a situação econômica-política em que se encontra o Brasil, mas não apenas por isso, é possível constatar um efeito, considerada falácia, cada vez mais comum em “debates” entre os grupos que se divergem sobre essa ou aquela opinião, a gloriosa, histórica e famosa “falácia do espantalho”.

Para você entender melhor, primeiramente o que seria uma falácia? De uma forma bem simples, podemos definir falácia como uma fala falsa, que simula ser verdadeiro, não apenas proposital, pois as vezes o usuário da falácia não sabe o que está fazendo. Uma palavra mais bonita para “mentira”.

E o que diacho tem o espantalho a ver com isso?

Quando o Batman precisava sair da alucinação gerada pelo gás tóxico... Pera, esse é outro assunto.

Diz-se que o termo “falácia do espantalho” ou “homem de palha” surgiu referente aos soldados que treinavam em bonecos de palhas, nos quais representavam seus inimigos.

Esse espantalho é disseminado por grupos ou indivíduos que novamente, proposital ou não, não entenderam o argumento do grupo do qual divergem, de forma a argumentar erroneamente, usando informações incorretas sobre o discurso do outro. 

Explicando melhor:  A falácia do espantalho acontece quando um individual apresenta a opinião ou argumento A, o sujeito que diverge pega o A (e não o interpreta direito), diz que é B, e que por ser B, não é tão bom quanto C.  Um exemplo hipotético: "Lula diz que bolsa família aumentou renda principalmente dos mais necessitados, no entanto, Bolsonaro diz que o bolsa família é esmola, e que o petista não gerou empregos no país". O problema aqui é que Bolsonaro não está refutando o argumento de Lula, pois ele não apresenta nada que vá contra o que Lula disse, ele apenas distorce a fala, usando argumentos fracos e não solucionais. Bolsonaro ainda coloca Lula em outra posição, na qual acredita ter argumentos contra.

Um exemplo certo: "Lula diz que bolsa família aumentou renda principalmente dos mais necessitados, porém, Temer demonstrou que o programa social conta com muitos desvios em decorrência de corrupção, e que as famílias mais pobres pouco ganham desse dinheiro". Aqui sim um argumento que vai de contra ao dito por Lula, e que é válido.

A falácia do espantalho é informal, e transforma o que foi dito pelo primeiro autor da fala em outra coisa, mudando o foco original do argumento. Lula, no exemplo hipotético, disse que seu programa ajuda as famílias mais pobres, ponto, no entanto, Bolsonaro esquece isso, ele transforma a fala em algo não feito pelo o outro candidato (não gerar empregos), dessa forma o debate se vira para a dita má gestão do governo petista.

Existem várias outras falácias, e pretendo escrever algo sobre elas em um futuro próximo. Ademais, é importante ficar atento as falas, e que se você quer contra-argumentar de forma correta, conheça bem os argumentos do seu “adversário”, essa é a melhor forma de não cair nessas falácias e dar mais credibilidade aos seus discursos.

Achou confuso? Abaixo você encontra um vídeo bem didático sobre essa falácia, não esquece de assistir. Um abraço! 

Mais informações:
Canal Eduardo Lacusta: Falácia do Espantalho